Para polícia não resta dúvidas, Wellington foi quem matou a pequena Lara

A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí concluiu o caso do homicídio de Lara Maria do Nascimento, de 12 anos, morta em março deste ano, em Campo Limpo Paulista. Pelas provas coletadas, com depoimentos, imagens de monitoramento e resultados de diversos laudos, a Polícia não tem dúvidas de que o homem identificado como principal suspeito do assassinato é, de fato, o autor do crime.

A fuga dele, inclusive, após ter negado por telefone envolvimento no caso, também foi relatado no inquérito encaminhado ao Fórum, como fator corroborativo para a conclusão por seu indiciamento não apenas por homicídio qualificado, mas também por ato libidinoso. Para o delegado Rafael Diorio Costa, a forma como a vítima é capturada pelo criminoso, com base em imagens de câmeras de monitoramento e no depoimento de uma testemunha ocular, a agarrando por trás, levam a crer que ele a pegou para estuprá-la, mas, diante de alguma adversidade, acabou por matá-la para ocultar o que havia tentado fazer.

O inquérito, que reúne imagens, depoimentos e mais uma série de informações, foi encerrado com mais de 300 páginas. Somente de filmagens, conseguidas em comércios, casas e prédios públicos, são quase 170 horas de gravações.

A conclusão, que já está nas mãos do Ministério Público, teve 47 páginas. “Esgotamos todos os meios disponíveis pra esclarecer esse caso, com coleta de informações, depoimentos, imagens e investigação de campo. A fuga do investigado também corroborou para nossa conclusão e pelos indiciamentos”, disse Diorio.

Informações são do site JJ