Com praias liberadas no feriado, litoral norte de SP fará ‘blitz sanitária’ com medo de Covid-19

Prefeitos do litoral norte de São Paulo pretendem criar bloqueios sanitários de orientação (sem barrar carros, efetivamente) como uma das medidas para minimizar o impacto da invasão de turistas no próximo feriado prolongado, de Sete de Setembro, nas quatro cidades da região (Caraguatatuba, Ilhabela, São Sebastião e Ubatuba).

Com medo também da superlotação nas praias, prefeitos do litoral sul (cidades como Santos e Guarujá) pediram apoio do governador João Doria para atenuar os efeitos do feriado na saúde local, em meio à pandemia.

Muitos turistas resolveram antecipar a viagem para o litoral norte e o movimento de veículos começou a se intensificar já na noite desta quinta-feira (3), provocando lentidão no trecho de serra da rodovia dos Tamoios, principal acesso à região, durante toda a madrugada. Houve lentidão também na rodovia Oswaldo Cruz, que liga Taubaté a Ubatuba.

Com isso, as praias já registravam lotação logo nas primeiras horas da manhã. No início da tarde, o tempo mudou e a temperatura teve ligeira queda. Os ventos fortes e o mar agitado afugentaram parte dos turistas, que preferiram frequentar os restaurantes, sorveterias, docerias e lojinhas de artesanato.

No litoral norte, a medida mais incomum coube à Prefeitura de Ilhabela, que planeja obrigar turistas que queiram acessar o arquipélago a assinar um termo de responsabilidade. Na pandemia, a administração local já tinha proibido a entrada pela balsa de não-moradores.

Em São Sebastião, que tem 120 km de extensão voltados ao mar, a prefeitura realizará barreiras sanitárias nas duas entradas da cidade. Os visitantes terão a temperatura aferida e os pneus dos carros, desinfectados. O prefeito Felipe Augusto (PSDB) disse que pedirá reforço da Polícia Rodoviária para auxiliar na ação.

O prefeito de Caraguatatuba, José Pereira de Aguilar Júnior (MDB), também disse que irá pedir apoio ao governo do estado para reforçar os trabalhos de fiscalização. “Precisamos retomar a economia, mas moradores e turistas precisam seguir respeitando os protocolos sanitários”.

Em Ubatuba, o prefeito Délcio Sato (PSD) determinou que equipes da secretaria da Fazenda, Vigilância Sanitária e a Guarda Civil Municipal realizem a fiscalização, e também pediu ao estado o reforço da PM.

Em Ilhabela, será necessário o preenchimento de um termo de responsabilidade, informando a cidade de origem, tempo de permanência e local onde ficarão hospedados.

No documento, estarão listadas as orientações na cidade, como uso obrigatório de máscaras, limite até 23h para restaurantes funcionarem e veto a festas e aglomerações. Passeios pelas trilhas e cachoeiras da cidade somente podem ser feitos com acompanhamento de guias, com grupos de no máximo seis pessoas.

PRAIAS LOTADAS

Mesmo com os riscos da pandemia do novo coronavírus, o movimento nas praias do litoral norte não se reduziu. Turistas e veranistas vêm lotando as praias, rios e cachoeiras da região.

No último fim de semana, os quatro municípios vivenciaram dias de forte calor, com as praias e até ilhas otadas, congestionamentos na rodovia Rio-Santos, trânsito local lento e falta de vagas para estacionar.

Também hotéis, pousadas e restaurantes tiveram bom movimento durante todo o período, algumas inclusive não respeitando o limite de ocupação de até 40% dos leitos. Restaurantes e bares também ficaram lotados.

No fim de semana, a reportagem circulou por algumas praias. A maioria dos banhistas não usava máscara nem respeitava o distanciamento social. O que se via eram grupos de famílias, entre quatro a 20 pessoas, aglomeradas na areia da praia ou debaixo de tendas. Não se viu nenhum tipo de fiscalização.

“Estou horrorizada com tanta gente. Parece o piscinão de Ramos, nunca vi tanta gente assim em um fim de semana normal e em pleno inverno, parece temporada de verão”, disse a aposentada Suely Dias da Silva, 68, que mora em frente à praia da Cocanha, em Caraguatatuba, e que estava com dificuldades para acessar a garagem de sua casa, por causa dos vários veículos estacionados em frente ao seu portão.

O movimento acendeu o sinal de alerta entre os prefeitos da região devido à proximidade do feriado prolongado. O temor é o de uma posterior explosão de casos de Covid-19 nas cidades lotorâneas.

Até a última quarta-feira (2), os quatro municípios registravam 5.546 casos confirmados de Covid-19 com 154 mortes.

Por outro lado, vêm recebendo pressão dos empresários do setor turístico para que o segmento não seja afetado pelas medidas, após permanecerem por cinco meses fechados.

Somente pela rodovia dos Tamoios, principal acesso ao litoral norte, a expectativa é de que 158 mil veículos trafeguem em ambos os sentidos, de acordo com a concessionária. Há ainda outros acessos, como a rodovia Oswaldo Cruz, que liga Taubaté a Ubatuba, e a Mogi-Bertioga, muito utilizada por turistas e veranistas que vão para as praias do sul de São Sebastião.

A Dersa, responsável pelas travessias litorâneas, informou que a quantidade de carros que se dirige a Ilhabela é a mesma de antes da pandemia, ou seja, movimento normal de temporada, quando entram no arquipélago entre 18 mil a 22 mil veículos. Nesta época, uma média de 1,5 milhão de pessoas descem para o litoral norte nos finais de semana das férias de verão.

Durante entrevista na última segunda-feira (31), o governador João Doria (PSDB) disse estar preocupado com a invasão de turistas.

“Houve (no último fim de semana) um número impressionante de pessoas nas praias do litoral de São Paulo, se aglomerando, sem máscaras, de forma inadequada e perigosa. As rodovias tiveram congestionamentos, como se nada tivesse acontecendo, como se fossem férias, como se houvesse razões para celebrar. Não temos o que celebrar, temos que nos preocupar”.